“Aquietai-vos e sabei que EU sou DEUS” (Sl 46.10). ?

Plínio Pinheiro Neto - Pastor Evangélico e Advogado

 O mundo vive momentos difíceis e poucas vezes na história tivemos notícia de eventos tão trágicos e repetidos, espalhando tristeza e dor por todo o globo terrestre. Nações se debatem em lutas inexplicáveis e infrutíferas; guerras intestinas devoram etnias inteiras de um País; famílias se desintegram, filhos matam os pais, pais matam os filhos que tanta alegria lhes trouxeram ao nascer; crianças assassinam coleguinhas em plena sala de aula, enfim, a vida humana perdeu o valor e por ínfimas quantias ou razões da mais acentuada banalidade, é ceifada sem nenhuma piedade. Mata-se para roubar, mata-se por ideologia política, mata-se por brincadeira, mata-se no cinema, mata-se na escola, mata-se por inveja, mata-se por ciúme, mata-se, absurdamente, por amor. O mundo anseia pela paz e não a encontra. Tristemente, para o mundo, a paz é tão somente o intervalo entre duas guerras.

 JESUS nos fala no Evangelho de Lucas, capítulo 21, versículos de 25 a 28, dos tempos do fim e dos sinais que o precederão, embora todo o capítulo 21, seja profético quanto a tudo que hoje nos envolve:

 “E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas. Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo. Porquanto as virtudes do céu serão abaladas. E então verão vir o Filho do Homem numa nuvem, com poder e grande glória. Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima”.

O fim está próximo e o homem não se apercebe, pois, afastado de DEUS busca em si próprio, nas suas forças e nas suas iniciativas, a solução dos problemas que o afligem e para ele, não importa o que aconteça, o importante é o alcance de seus objetivos. DEUS é algo desconhecido, distante, inacessível ou, até, muito ocupado e que cobra muito caro para atender, porisso, o homem se perde nos descaminhos da vida e furta, rouba, mata, violenta e maltrata os semelhantes. Pisa nos outros para vencer!

A verdade é que a paz que tanto buscamos, jamais nos poderá ser dada pelo mundo. O próprio JESUS no evangelho nos afirma: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou. Não vo-la dou como o mundo a dá”. (Jo 14.27) e, ainda no evangelho de João, 16:33 “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.

O SENHOR nos conclama ao longo de toda a Sua maravilhosa e santa Palavra a termos absoluta confiança Nele e a Lhe entregarmos nossos problemas, como Josafá e tantos outros o fizeram e assim obtiveram a almejada vitória. Por fim, desafia-nos a nos prostarmos diante Dele, confiantemente, e a lançarmos sobre Ele a nossa tão prejudicial ansiedade, que se constituindo na mais absoluta demonstração de falta de fé, nos leva a sermos precipitados e a cometermos os mais absurdos e inconcebíveis desatinos: “Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de DEUS, pela oração e súplicas, com ação de graças” (Fil 4.6) e mais: Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de DEUS, para que a Seu tempo vos exalte. Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós” (1Pe 5.7)

Conta um certo escritor, que em um determinado País, foi realizado um concurso, entre os mais renomados pintores, para retratar a paz. Um pintou o céu do mais belo azul, pontilhado de tranqüilos pássaros a voar; outro pintou a placidez de um lago com lindos cisnes a nadar; alguém pintou um belo campo florido e outro, por fim, pintou uma terrível tempestade e na encosta de uma montanha, em um buraquinho da rocha um pássaro, tranqüilo, a esperar que a tempestade passe. Este foi o vencedor, pois a paz verdadeira não é aquela que o mundo nos apresenta em suas belas e efêmeras paisagens. A paz verdadeira, a paz de que tanto necessitamos, é a paz na tormenta, na tribulação. A paz que só JESUS pode nos dar. JESUS é o abrigo na rocha que quer te guardar até que passe a tempestade que se abate sobre ti. Corre para Ele e Aquele a quem até os mares e os ventos obedecem te dará o livramento e a vitória.

Enquanto buscarmos a solução de nossos problemas, utilizando as armas que o mundo nos dá, só teremos um efeito paliativo sobre as provações que nos afligem. É necessário conhecermos a grandeza de que nos fala o SENHOR, o DEUS do impossível, quando nos diz: “Aquietai-vos e sabei que Eu sou DEUS”, mostrando-nos claramente, que não é nossa agitação, nossa ansiedade, nossa inquietude que nos darão a vitória, mas sim a absoluta confiança Nele.