O AMOR E O TEMPO.

 

Era uma vez uma ilha onde moravam muitos sentimentos:- a Alegria , a Tristeza , a Riqueza , a Vaidade , a Sabedoria , o Amor e outros.

Um dia , avisaram ao Amor que a ilha seria inundada. Apavorado, o Amor cuidou de avisar logo a todos os seus companheiros para que se salvassem. O Amor gritava desesperado:-

- Fujam! Fujam! A ilha será inundada!

Todos correram para os seus barcos , buscando um local mais alto e seguro. Somente o Amor desejou ficar mais um pouquinho naquela ilha que tanto amava e que iria desaparecer em breve deixando tantas maravilhosas recordações.

Quando a ilha já estava sendo inundada , só então o Amor se deu conta do perigo e correu para pedir ajuda dos seus companheiros para não se afogar.

A Riqueza vinha passando no seu barco suntuoso e o Amor pediu:-

- Leva-me contigo , Riqueza.

E a Riqueza respondeu:-

- Não posso , Amor. Meu barco está cheinho de ouro e prata. Não tem lugar para ti.

Daqui há pouco , se aproximou a Vaidade. E o Amor suplicou:-

- Vaidade , salva-me por favor!

E a Vaidade ponderou:-

- Não posso Amor. Tu podes molhar meu barco.

Logo após veio a Tristeza , remando lentamente seu pesado e escuro barco. E o Amor implorou aflito:-

- Tristeza , ajuda-me com o teu barco.

E a Tristeza respondeu:-

- Não posso, Amor . Estou triste demais. Preciso ficar sozinha.

Em seguida veio a Alegria que nem notou a angústia do Amor.

O Amor já estava quase se afogando quando se aproximou da ilha um velhinho remando calmamente um barco que parecia muito antigo. E o velhinho disse para o Amor:-

- Sobe aí Amor. Vou te levar para um local seguro.

O Amor ficou tão eufórico e subiu no barco tão apressado que acabou por se esquecer de perguntar o nome do velhinho que o estava salvando.

Quando chegou no monte onde já estavam os demais sentimentos , alegre e feliz , o Amor desceu rápido para abraçar a todos e se esqueceu de agradecer ao seu benfeitor. E o velhinho seguiu adiante remando tranqüilo o seu velho barco , sem sequer olhar para trás.

Só então o Amor perguntou à Sabedoria , que a tudo observava sorrindo:

- Sabedoria , quem é aquele velhinho tão calmo e humilde que me salvou?

E a Sabedoria , serena como sempre , respondeu:

- Aquele velhinho que te salvou , Amor , é o Tempo. Só o Tempo é capaz de fazer nascer, entender e salvar o Amor.

 

voltar